Item

Comunicação - Espírito: Espírito da Verdade - Médium: Cazemajour - 09/04/1865

Ségur

9 de abril de 1865.

Médium: senhora Cazemajour.

Senhor Pezzani

Hillaire

Suspeitas

Pergunta (para a Verdade): A senhora Bouillant me pressiona quanto à visita de uma pessoa a quem ela pede que eu fique alerta. Sem nomeá-la, acreditei ter reconhecido o senhor Pezzani, que deve vir a Paris em breve. Há realmente alguma razão para desconfiar dele?

Resposta: Não é dele, é de um outro que se deve ter cautela; não sei se devo nomeá-lo; ele também escreve no La Verité; mas é preciso ter, em tudo isso, muita circunspecção e muita prudência. Tudo o que posso lhe dizer é que a divisão reina nos centros mais sérios; ele é o autor suspeito, senão avançado, aos olhos dos bons espíritas; para você, ele é apenas um instrumento dos jesuítas. Reconhece-o sem que eu precise nomeá-lo?

Pergunta: Suspeito de um, mas ele não escreve; não pode ser ele.

Resposta: É Hillaire.

Pergunta: Não é ao senhor Pezzani que a senhora Bouillant alude em sua carta? Ele nunca inspirou confiança em Lyon.

Resposta: Sim, mas sem fundamento; hoje ele está muito seguro das verdades que preconiza em seus escritos, e não pode mais duvidar das manifestações espíritas; ele é suficientemente favorecido para isso.

Image description
001

Ségur

9 avril 1865

Méd. Me. Cazemajour.

M. Pezzani

Hillaire

Soupçons

Dem. (à la Vérité) - Mad. Bouillant me pressant sur la visite d’une personne vis-à-vis de laquelle elle m’engage à me tenir sur mes gardes. Sans la nommer, j’ai cru reconnaître M. Pezzani qui doit venir sous <peu> à Paris. Y a-t-il véritablement lieu de se défier de lui ?

Rép. Ce n’est pas de lui, c’est d’un autre qu’il faut se méfier ; je ne sais si je dois le nommer ; il écrit aussi dans la Vérité ; mais il faut dans tout cela tant de circonspection et tant de prudence. Tout ce que je peux te dire, c’est que la division règne dans les centres les plus sérieux ; il en est l’auteur soupçonné sinon avancé aux yeux des bons spirites ; pour vous, il n’est qu’un instrument des Jésuites. Le reconnais-tu sans que j’aie besoin de le nommer ?

Dem. J’en soupçonne bien un, mais il n’écrit pas ; ce ne peut être lui.

Rép. C’est Hillaire.

Dem. N’est-ce pas à M. Pezzani que Mad Bouillant fait allusion dans sa lettre ? Il n’a jamais inspiré de confiance à Lyon.

Rép. Oui, mais sans fondement ; aujourd’hui il est trop sûr des vérités qu’il préconise dans ses écrits, et ne peut plus douter des manifestations spirites ; il est assez favorisé pour cela.