Item

Comunicação - Espírito: Foulon - Médium: Tailleu - 18/06/1865

Ségur

18 de junho de 1865.

Médium: senhor Tailleur.

{Senhor Sabò.}

Pergunta: (à senhora Foulon) Você provavelmente sabe que o senhor Sabò não está mais comigo?

Resposta: Isso estava previsto há bastante tempo; era inevitável; você nos ouviu, você deve estar satisfeito.

Pergunta: Que efeito produziu nele a saída imediata, que determinei, do apartamento que ele ocupa aqui?

Resposta: Ele desejava sair da casa antes mesmo de sair do trabalho; ele se achava um escravo. Ele não é o mais culpado; é um ser nulo.

Pergunta: O que ele vai fazer agora?

Resposta: Estamos tentando abrigá-lo o mais rápido possível. Ele tem família.

{Senhor Desliens.}

Pergunta: Pretendo substituí-lo, provisoriamente, pelo senhor Desliens; o que você acha?

Resposta: Sim, mas a saúde dele é muito delicada; ele terá muita dedicação, mas pouca força física. Um pouco confuso; você ainda terá muito trabalho com ele. Ele tem uma natureza franca e dedicada. Ouça: coloque-o provisoriamente; você vai se sair muito bem; é necessário; mas ele o deixará por causa de sua frágil saúde.

Pergunta: Preciso, porém, de alguém sério e capaz, e não vejo ninguém.

Resposta: Trataremos disso durante o período provisório desse jovem.

Pergunta: Acima de tudo, não me deem um segundo Sabò.

Resposta: Não, não. Você não terá um similar.

(Não é um mal, você ter-lhe-á feito bem; ele refletirá sobre tudo o que lhe acontece, e um dia ele se colocará fora do domínio daquela que muitas vezes o influencia muito mal; mas isso não vai durar muito tempo, pois ele viverá pouco.)

Image description
001

Ségur

18 Juin 1865.

Med. M. Tailleur.

{M. Sabò.}

Dem. (à Mad. Foulon). Vous savez sans doute que M. Sabò n’est plus avec moi ? - R. Il y a longtemps que c’était prévu ; c’était inévitable ; tu nous as écouté, tu dois être satisfait.

Dem. Quel effet a produit sur lui le congé immédiat que je lui ai donné de l’appartement qu’il occupe ici ? - R. Il désirait quitter l’habitation avant même de quitter le travail ; il se croyait esclave. Ce n’est pas le plus coupable ; c’est un être nul.

Dem. Que va-t-il faire maintenant ? R. Nous cherchons à le caser le plus tôt possible ; il a de la famille.

{M. Desliens.}

Dem. J’ai l’intention de prendre provisoirement pour le remplacer M. Desliens ; qu’en pensez-vous ?

R. Oui, mais il est très délicat de santé ; il aura beaucoup de dévoûment, mais peu de force physique. Un peu brouillon ; tu auras encore beaucoup de besogne avec lui. C’est une nature franche et dévouée. Écoute : Prends-le provisoirement ; tu feras fort bien ; il le faut ; mais il te quittera pour cause de sa mauvaise santé.

Dem. Il me faut cependant quelqu’un de sérieux et de capable, et je ne vois personne. - R. Nous nous occuperons de cela pendant le provisoire de ce jeune homme.

Dem. Ne me donnez pas surtout un second Sabò.

-R. Non, non ; tu n’auras pas la <paire>.

(C’est n’est pas un mal, tu lui auras fait du bien ; il réfléchira à tout ce qui lui arrive, et un jour il se mettra hors de la férule de celle qui l’influence souvent très mal ; mais ce ne sera pas de longue durée, car il vivra peu.)